Minha primeira censura!

Meus amigos, faz uma semana que eu recebi a minha primeira censura literária. A maioria das pessoas pode achar isso ruim, e esse é um d...



Meus amigos, faz uma semana que eu recebi a minha primeira censura literária.
A maioria das pessoas pode achar isso ruim, e esse é um dos mais fortes motivos para que um escritor amador se torne frustrado. Todos nós precisamos de motivações, e críticas ruins e não construtivas acabam com o nosso dia.
O que ocorreu, porém, deixou-me confiante e com sabor de "desafio" na boca. Faz parte da vida diária de quem tem como objetivo a literatura (as outras artes também, não é?), as críticas vão aumentando, feito ondas do Havaí. Alguns afundam, outros aprendem a surfar na marra. O objetivo é chegar vivo até a praia e não ser comido pelos tubarões.


A censura, como eu mencionei, ocorreu numa comunidade, onde eu recentemente passei a postar alguns textos de minha autoria usando o pseudônimo "Bandini". O texto vítima foi "Bang, bang, I'm dead", postado dia 17 aqui no blog.
Tomarei a liberdade de copiar e colar o que me foi dito no tópico:


~
Kathryn Hawkins:
Não gostei nem um pouquinho. E, o menino tinha treze anos e foi beber vinho a tarde inteira com uma garota? 
Enfim, não gostei do conteúdo, nem das suas descrições... sei lá, ficou tudo muito... não envolvente, sabe? 


Bandini:
Poxa, que pena que não gostou, mas obrigada mesmo assim por ter lido e comentado.
Só não entendi o problema da idade dele, não entendi sua censura quanto a ele beber vinho aos 13, já que nessa idade hoje em dia as crianças fazem coisas de adulto. Até mesmo a literatura está repleta de personagens jovens fazendo burradas. Henry Chinaski (personagem e alter ego de Charles Bukowski) aos 13 já se metia em encrencas, Christiane F. já usava drogas e se prostituía, e até mesmo Federico Fellini (e você participa de uma comunidade dele) tinha 12 quando fugiu de casa.
De qualquer maneira, obrigada por dar sua opinião, vou tentar te envolver da próxima vez (:


Genevieve A:
/\ Essas coisas não eram para ser normais. 


Bandini:
Genevieve, não eram para ser normais, mas aqui não estamos falando de moralidade, e sim de um personagem literário.
Ora, só não entendi tamanha censura, Machado de Assis escrevia sobre adultério, Álvares de Azevedo escrevia sobre necrofilia, e ninguém deu escândalos.
Mas eu não fico chateada, vocês não gostaram, mas leram, isso que eu queria.
Agora entendo Buk:
"Se algum ato terrível ocorre no meu trabalho é porque essas coisas acontecem em nossas vidas. Eu não estou do lado do mal, como se o mal fosse algo inerente (...) eu nem sempre concordo com o que ocorre, nem vou me afundar na lama por causa deles (...) Se eu escrevesse só e continuamente da “luz” e nunca mencionasse o outro, então como artista eu seria um mentiroso (...) A censura é a ferramenta daqueles que têm a necessidade de esconder realidades de si mesmos e dos outros (...) Em algum lugar, na sua educação, eles estavam protegidos contra os fatos de nossa existência. Eles só foram ensinados a olhar de um jeito, quando existem muitas maneiras." (resposta de Charles B. à Hans Broek, quando seu livro foi censurado).


Tuane Bardot:
Achei muito legal o conteúdo do seu texto, apesar de ser uma linguagem que passa entre o o genuíno e o começo de um conhecimento sobre o "escrever". Não sei te explicar, acho que seu texto está estruturado como na sua imaginação, é um conteúdo criativo porém que deve ser mais trabalho. No meu gosto de leitura, faltou um amadurecimento (mas isso é uma coisa que você adquire com o tempo, por isso se arrisque mesmo nos seus escritos). Ele apresenta situações claras mas ao mesmo tempo confusas, como se você tivesse imaginado e logo escrito, porém não trabalhado pra que fosse uma leitura de entendimento geral, e sim uma coisa sua, uns rabiscos seus, um conto que você acordou na noite com vontade de escrever. Mas é legal pra uma história urbanóide! 
Falta você encontrar a SUA forma de escrever, e tornar esta clara pra todos. 


Gibreel, o Arcanjo:
Eu achei muito bem escrito. Um texto breve e acredito que tenha algo de verídico pela forma. Acho estupidez julgar pela idade dos personagens, concordo plenamente com o argumento da autora e os exemplos. Estamos falando de literatura aqui e isso não tem a ver com moralidade e preceitos, contextos sociais. Não será porque um autor parou de escrever sobre menores de treze anos que bebem vinho que eles deixarão de fazer. Ah, em minha opinião é estupidez demais julgar dessa forma. E, Bandini, se eu fosse você não colocava textos seus nessa comunidade que é uma grande panelinha de pseudos escritores que se servem da contra arte do intertexto. Eu por exemplo jamais coloquei nada meu aqui simplesmente por acreditar que não tem pessoas capazes de julgar qualquer coisa , afinal vejo somente comentários que visam apenas a auto exibição. 


Kathryn Hawkins:
Pronto, agora deixa eu comentar com tempo. Acho que não me fiz entender ali primeiro. O que eu quis dizer com a pergunta é que a tua ambientação ficou artificial, entende? Um menino de treze anos bebendo vinho com uma garota durante a tarde... não fica uma coisa meio... inverossímil? Digo, lendo tudo, não dá uma impressão natural das coisas acontecendo, entende? Eu não saberia te explicar exatamente o porque, deve ser qualquer coisa na narrativa mesmo, na forma como você levou o texto, que deixou a impressão de ser estranho o fato do menino ter treze anos.
Ademais, tem umas coisas que soam tanto como esteriótipo de moralista quando ele fala de drogas... por isso também não achei que combinasse tanto com teu personagem beber vinho a tarde toda e censurar a galera por cheirar cocaína, né.
Sim, Fellini fugiu de casa com doze anos, Truffaut com catorze, sim, sim. Mas observe os contextos deles é diferente, assim como o do alter ego do Bukowski e o da Christiane F lá. E todos os personagens que você citou aí, tinham um ser um tanto liberal em si. O que eu quero dizer é que ficou parecendo tão... não natural, mesmo, como eu disse antes, a forma como você abordou tudo. Sei lá, acho que é como o Alex DeLarge, em laranja mecânica, onde o fato dele ter 15 anos soa extremamente estranho quando se lê o livro, porque tudo flui de maneira natural - claro, escandaliza o fato de um guri de 15 anos fazer as coisas que ele faz, mas a narrativa vai encaixando isso, entende? Ou ainda, como o Truffaut faz com seu alter ego, o Antoine, ele foge aos catorze anos, sim, fuma, faz lá as besteiras dele, mas continua uma criança, apesar de muito adulto. É familiarizar seu texto a algo, pra que não soe forçado, algo assim. 
Foi o que a menina ali disse, falta achar uma forma tua de escrever pra envolver mais o leitor.



Eu realmente não posso agradar a todos, há preferências, por isso há tantos livros de diversos assuntos.
Essa foi minha primeira censura, ficará na minha história e me lembrarei dela pelo resto da vida.
Meu texto causou vários comentários, e eu não respondi mais nenhum, tudo o que eu queria dizer já havia dito, e tantas críticas ruins e não construtivas, de um jeito curioso, me animaram, junto com os elogios e os encorajamentos dos meus amigos.


Que venham mais críticas!

You Might Also Like

9 comentários

  1. Bem.. não sei onde esse texto foi publicado para ter essa "reprovação".
    Na minha opinião ele é ótimo, eu por ter 16 anos sei muito bem como é essas festinhas apesar de não frequentar, mas ter amigas que frequentam.
    Infelizmente não se pode agradar á todos, mas penso eu, que essas pessoas estão equivocadas ou simplesmente não enxergam á realidade desses jovens.

    ResponderExcluir
  2. Como você disse, infelizmente não se consegue agradar a todos, não sei em que comunidade você postou esse texto, mas particulamente gostei bastante dele, uma coisa é certa, meninos de 13 anos hoje em dia fazem muitas coisas que fogem ao contexto de normalidade, e tem sim gente que bebe e critica quem usa drogas, afinal, de um ponto de vista as coisas podem sim, parecer diferentes.
    Bjus ;*

    ResponderExcluir
  3. Achei o texto ótimo ,criticas no mundo sempre terá não se preocupe a autora de harry poter também teve muitas criticas antes de ser como ela é hoje uma das mulheres mais ricas do mundo .E acho que se a pessoa não gostou do seu texto ela não lê então se não gostou não comente!As pessoas não querem mesmo ver a realidade e outra o texto é seu e você cria o que você quiser.
    http://sweetdreamssah.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Senhorita Morgan, eu ficaria surpreso caso caísse devido a estas críticas. Sou um fã seu, como já bem disse, e um amigo. Porém, você escreve muito bem mesmo, e como fora dito, há gostos e lados, eu sempre pensei assim. Claro que isso não nos tira o bom senso, que já percebi que tens muito bem.

    Pra você ver como escreve bem, postou um texto falando de uma crítica e que me motivou a ler tudo! rsrsrsrs Adoro seus textos!

    ResponderExcluir
  5. Olá...não vejo motivo para seus textos serem censurados, então, espero que você não se deixe levar por pessoas quena maioria das vezes não sabe realmente o que se defina um bom trabalho....parabéns !!!!

    ResponderExcluir
  6. tbm n vejo motivo p censurar... tem mta gente besta nesse mundo, viu.

    abraço e feliz final de semana.

    ResponderExcluir
  7. Tem um selo pra você no meu blog <3
    http://mydreamsofasummernight.blogspot.com/2012/01/selinho.html

    ResponderExcluir
  8. Pois é Bruna,tem gente que se afunda na primeira onda que vem, e não cosegue pular,por menor que seja.Fiquei muito feliz em saber que você é uma das pessoas que esta ''surfando''.E olha, sou sua fã hen!Te curto todos os dias :) Obrigada por tudo viu?E parabéns.

    ResponderExcluir
  9. Pois bem... Tenho 12 anos e não vejo nada de muito "uow" nisto que escreveu senhorita. A maioria das garotas de minha idade meio que são han... termo correto para não chingar: idiotas e oferecidas, enquanto eu me afogo nos livros.O texto é realmente ótimo, parabéns! N/a: eu gosto de vinho so estou a esperar os 18... :p Ass: Kloster

    ResponderExcluir

;D