A Ventríloca

Pode parecer loucura, mas muitas das vezes as imagens que aparecem em minha cabeça não tem muito sentido no início, eu aprendi que meu su...


Pode parecer loucura, mas muitas das vezes as imagens que aparecem em minha cabeça não tem muito sentido no início, eu aprendi que meu subconsciente quer se expressar, e que ainda não me conectei inteiramente com o meu eu interior (ok, quanta loucura! rs). Deixa isso para lá, o caso é que eu costumo pegar no pincel e  em muitos momentos não penso no que estou pintando, deixo a mão guiar.
Foi o que aconteceu com essa pintura, na qual nomeei de "A Ventríloca", pois nunca em meu núcleo de convívio a questão sobre o peso foi tão falada como agora, em casa minha mãe e minha irmã reclamam dos quilos extras, algumas amigas têm como meta emagrecer para se sentirem bonitas, muitas blogueiras que vi por aí também fazendo o 101 coisas em 1001 dias colocam que precisam emagrecer (inclusive algumas queriam pesar 45 quilos! muito abaixo de seus pesos saudáveis), e até eu mesma que não gosto de seguir o padrão de beleza, acabei sendo influenciada e me flagrei descontente olhando para o espelho desejando não ter ganhado uns quilinhos a mais, também já não me sinto muito à vontade usando uma camisa mais fresca que mostra o umbigo, e já fiquei meio envergonhada usando biquíni.
Esse descontentamento todo não surgiu assim do nada, somos sempre bombardeadas de propagandas mostrando como é bom ser magra e estar com o "corpo ideal" para a praia.
Também tenho amigas magérrimas que tentam emagrecer mais ainda, e o número de meninas que não se sentem bem em seu próprio corpo é alarmante.
É anti-ético nos fazerem de "ventrílocas" e fazer com que reproduzamos a ideia de que desejamos estar nos padrões milionários da moda.
Não precisamos continuar sentindo desgosto com nosso corpo apenas porque as empresas querem ditar quanto devemos pesar!

You Might Also Like

7 comentários

  1. Adorei o termo "ventríloca" hahaha, e é realmente uma pena essa imposição que a sociedade como um todo nos faz, por padrões de beleza, comportamento, cultura...

    Não seguir os padrões, chega a ser quase um masoquismo na sociedade em que vivemos infelizmente. Porém, acho que realmente o que vale a pena é nos sentirmos bem, e para isso basta ignorar um pouco a opinião alheia e ter bons amigos! hahaha

    Sabe o que é interessante, eu estava vendo alguns comentários em meu blog em 2011 e achei um seu e resolvi por curiosidade dar uma passadinha aqui, e eis a surpresa, você ainda posta! Voltei a tentar rabiscar algo ultimamente (depois de 3 anos), não sei no que isso vai dar, mas acho que vale a pena tentar hahaha

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal o seu raciocínio, e a pintura expressa-o certamente. Também escrevo assim em muitas das vezes. E por isso não costumo me cobrar tanto sobre a qualidade do que escrevo, apenas escrevo e isso me permite respirar quando jogo pra fora da minha cabeça aquilo que me sufoca. Se é esteticamente bonito ou não, aceitável ou não para a maioria das pessoas, nem sempre importa.

    mais uma vez parabéns pelo blog.
    20 de março de 2014 05:16

    ResponderExcluir
  4. "A beleza é o nome de qualquer coisa que não existe que eu dou às coisas em troca do agrado que me dão" - Alberto Caeiro.

    ResponderExcluir
  5. Além da pintura maravilhosa, você complementou super bem com esse texto! É complicado como essa imposição do "corpo ideal" mexe tanto com as mulheres, né? Mais da metade das minhas amigas já se enfiaram em academias e academias e querem emagrecer o mais rápido possível. E no final, todo mundo tá se matando pra ter um "corpo ideal" para os outros.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. visitando o teu blog a única coisa que me passa na cabeça é: QUE INSPIRADOR!

    ResponderExcluir

;D