24 de fevereiro de 2012

Tacos e sangue.






Eu e meus amigos ainda podíamos ouvir o clamor dos expectadores quando o jogo acabou e ganhamos do time da casa, os Cães Raivosos.
Atravessamos o vestiário. Decidimos não trocar de roupa e continuar com o uniforme de beisebol, pois eu era a única menina do time e não poderia ficar sozinha lá fora.
Já estava escurecendo e os arredores do campo eram apenas terrenos baldios, de modo que os expectadores já tinham ido para suas casas de carro.
Eu ajeitei meu boné vermelho e branco, cantando a música da vitória, sendo acompanhada por todo o time.
Jimmy, meu irmão mais velho - e também o mais velho entre nós, procurava as chaves do carro em seu bolso, parando de andar por um segundo.
Já estávamos perto de seu automóvel quando ouvimos um baque surdo. Olhamos para trás atônitos.
Eu vi o taco de beisebol acertar-lhe bem na boca do estômago, Chuck não suportava perder a partida e naquele momento encurralava meu irmão junto com seu time.
Eu assistia àquela cena do outro lado, vendo os meninos pegar seus tacos e irem à direção dos Cães Raivosos.
Também peguei o meu e joguei meu boné no chão, mas Carl segurou meu braço e disse que eu ficaria dentro do carro, e se a coisa piorasse, mandou que eu dirigisse até encontrar a polícia.
Me empurrou e eu entrei pela janela, vendo-o correr para ajudar meu irmão, e vendo os meninos partirem para a briga.
Meus olhos estavam embaçados por causa da neblina, a noite chegava de modo rápido e eu não conseguia enxergar com muita nitidez, mas os meus ouvidos estavam funcionando perfeitamente e eu só escutava os sons de costelas e cabeças sendo arremessadas ao chão, socos sendo desferidos, dentes quebrando.
Eu sentia uma fúria inexplicável, a adrenalina subia pelas minhas veias e minha cabeça doía, meu corpo tremia e cheguei a pensar que o carro também tremia, alheio ao meu ódio. Eu tinha que ir até lá!
Peguei no banco de trás os tacos de reserva, dois seriam o suficiente, eu poderia morrer, mas também quebraria algo dos Cães Raivosos.
Saí pela janela e tentei me equilibrar com dois tacos ocupando minhas duas mãos que tremiam violentamente. Eu não gritei, mesmo quando abri a boca, não consegui gritar. E corri em direção a Chuck que chutava com muita força a barriga de meu irmão. Desferi um golpe em suas pernas, fazendo-o se ajoelhar e olhar apavorado para trás, mas não me viu, talvez pensasse que eu fosse pequena demais para lhe acertar. Isso me deixou com muito mais raiva, então bati com mais força em suas costas, assim ele se encolheu, largando meu irmão, mas eu continuei quando vi Jimmy abandonado no chão ensanguentado e inconsciente. Passei a desferir golpes seguidos em suas costas, até ouvir Chuck soltar um grito estridente, se calando em seguida. Ele não se mexia mais.
Eu olhei em volta e todos pareciam apavorados, mas não me fitavam, apenas olhavam para Chuck caído no chão.
Os rapazes dos Cães Raivosos também olhavam com medo, eu não entendia o motivo de tanta perplexidade.
Soltei os tacos no chão, vendo Carl segurar meu irmão.
Talvez jogar com aquele time não tenha sido uma boa ideia.
Andei até o carro e entrei pela janela, sentando-me no banco da frente ao lado do banco do motorista.
Ninguém havia tocado em mim, e eu jurava que era porque eu era mulher. E isso me deixava furiosa, e um pouco aliviada ao mesmo tempo, pois eles poderiam me matar só com um golpe.
Respirei fundo, meu corpo ainda vibrava.
Fechei meus olhos, e então senti algo escorrer em minha testa, toquei com a ponta do dedo e vi que era sangue, talvez alguém tenha me acertado e eu não vi, pensei.
Decidi virar o retrovisor para olhar o ferimento, mas para o meu espanto meu reflexo não estava ali, eu não aparecia, era como se eu estivesse invisível!

11 comentários:

  1. Adorei a apresentação ^^

    Beijos,
    http://placestyle.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi vamos fazer uma entrevista ? me fala lá no meu blog !
    Garotadesastrada-blog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Que legal *-*

    Tu escreve super bem, fiquei com vontade de saber mais D:

    e quanto ao meu projeto, seja super bem vinda desde já :)
    beijo!

    ResponderExcluir
  4. Nossa adorei a história, você escreve muito bem está de parabéns, bjos

    http://toquaseprontaprasair.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. AWN, que mara, tu escreve muito bem, fiquei curiosa pela continuação, vai ter neah?
    Bjus ;*

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bom ?
    É a primeira vez que visito seu blog e adorei aqui,
    estou seguindo e adoraria que você me seguisse de volta.
    Minhas parcerias estão abertas, se te interessar, avise !

    ResponderExcluir
  7. Bruna a história ficou demais!

    ResponderExcluir
  8. Sobre uma menina que perdeu os pais e foi pro orfanato. Mas eu acabei me perdendo um pouco na história.. Tipo, a história começa dela contando o que ela já viveu. Daí ela conhece uma cara, só que aí, quando eles já tão em todo aquele romance, os pais dele sofrem um acidente e eles se afastam. Daí o ex dela volta, e eu não sei mais o que por.

    ResponderExcluir
  9. Nooossa,que incrível! Eu ameei ler a história,e adorei o desfecho,muuito original! XD

    Amoore,obrigada por responder ao Censo! \Õ/

    Beeijo
    http://blogmymemories.tk

    ResponderExcluir
  10. eu A-D-O-R-E-I, pensa, adorei muito!
    pretendo voltar sempre que der! e eu amei
    essa sua fachada, foi voce que fez?

    beijos!

    ResponderExcluir
  11. Oi, vim avisar que tá tendo uma super PROMOÇÃO lá no meu blog, são vários prêmios, incluindo um Perfume Christina Aguilera.

    participa: http://kli-che.blogspot.com/2012/03/promocao-kliche-2.html

    ResponderExcluir

Oie! Seu comentário é muito bem vindo *-*, espero que tenha gostado do que leu e que volte sempre <3.

Clique em "notifique-me" caso queria receber um aviso de minha resposta ao seu comentário! Beijinhos.

© Bruna Morgan | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger.